0

Pedalando aos 80 anos 

“Pedalo desde pequenino.  Eu vim agradecer o padroeiro do bairro Padre Eustáquio. Tenho essa bicicleta há 8 anos. A anterior foi roubada. Estou com receio de pegar essa rua principal mas eu tenho fé que Padre Eustáquio vai me proteger”. Pedro da Silveira, 81 anos. 

A bicicleta do vovô tem radio e velocimetro. Reparei que marcava mais de 5.000 km! E isso numa bicicleta sem marchas. 

Fotos; Gil Sotero   
    
 

0

Pampulha patrimonio das pessoas

A Pampulha se tornou Patrimônio Cultural da Humanidade e as obras realizadas no entorno da famosa igrejinha  devolveu a paz e tranquilidade a pedestres e ciclistas que antes tinham que disputar espaço entre toneladas de metal e aço conduzidos por gente impaciente.

O lugar se transforma a depender do dia e hora que você vá. Embora seja muito associada a esporte e lazer a região é rota para muitas pessoas que usam a bicicleta para se deslocar. Seja por esporte, lazer ou necessidade é muito bom observar como a energia do lugar mudou com a retirada de automotores barulhentos.

fotos G. Sotero

IMG_5248 (2)IMG_5240 (2)IMG_5252 (2)IMG_5253 (2)IMG_5255 (2)IMG_5256 (2)IMG_5265 (2)IMG_5270 (2)IMG_5271 (2)IMG_5284 (2)IMG_5285 (2)IMG_5287 (2)IMG_5289 (2)

0

Bicicultura levou mostra de video a Belo Horizonte

 
Na terça 26 de julho foi exibido no Cine 104, no centro de Belo Horizonte, a Mostra Itinerante de Videos Bicicultura2016, evento que ocorreu em maio na capital paulista e aglutinou arte, cultura e debates sobre a bicicleta no Brasil. 13 produções estamparam na telona do cinema um pouco da cultura da bicicleta de varias partes do país. 

Ciclistas e não-ciclistas foram conferir a programação e muitos se surpreenderam. “Eu nunca tinha parado para pensar como a bicicleta pode ser transformadora ao questionar o excessivo uso de automóveis”, declarou Leonardo Guerra, não-ciclista que compareceu ao evento. Ciclorealizadores curtiram ver suas produções na tela do cinema. “É muito interessante observar nosso video na tela de um cinema. Fizemos para web mas a projeção em salas torna o trabalho mais interessante” declarou Fernando Biagioni, que produziu do curta “Vá de Bicicleta” exibido na sessão. 

 

foto: Gil Sotero

 
Incentivar a produção de mais videos sobre o tema e estabelecer um espaço permanente da cultura audiovisual sobre a mobilidade foi o principal objetivo da realização da Mostra Itinerante de Videos Bicicultura2016 segundo reafirmou o José Renato Bergo, curador do evento. “Estes eventos, reforçados pelo “Vamos Pedalar”, 1o programa em Tv aberta nos últimos anos somente sobre o universo da bici e exibido na Cultura-Sp, e principalmente pelas exibições recentes Brasil afora do documentário Bike vs Cars, de Fredrik Gertten, (com protagonistas brasileiras); lançado aqui em maio de 2015 e mundialmente no #4FMB-2014 da Colômbia; que nos faz sentir como uma obra audiovisual na telona ou tv propõe outra dimensão do que somos como agentes da transformação, e do como poderemos ampliar nosso trabalho, feito inicialmente para 2as telas (celulares e desktops)”, escreveu Bergo. 

Ele também destaca o caráter promotor da bicicleta dos videos e a necessidade de outras regiões receberem a mostra. “A 1a Mostra de Videos Bicicultura, será agora itinerante de modo colaborativo e voluntário. Autogerida localmente indo às cidades que se mobilizarem a fazer a discussão. O objetivo é criar estimulo para realizadores ciclistas locais, que vendo o que vem sendo feito, alinhe suas expectativas para mais, num um circulo virtuoso onde outras pessoas observem o nosso jeito de pedalar e queiram sair por aí num rolê”, completou Bergo.

Belo Horizonte ganhou muito em ser a primeira a realizar a Mostra Itinerante de Videos Bicicultura2016 no Cine 104 que recebeu os ciclistas e suas bikes nas instalações do espaço. “Ficamos muito felizes em receber os filmes e a comunidade ciclística de BH e queremos exibir outras produções sobre o tema”, declarou Daniel Queiroz, programador do Cine 104. 

  
Após a exibição os ciclorealizadores Amanda Corradi, Igor Amin, Fernando Boagioni e Israel Palestina falaram um pouco sobre a experiência em produzir os videos. 

  
Os videos exibidos mostraram a diversidade do mundo ciclistico com varios perfis de ciclistas e tipos de bicicletas. 

Lista dos videos exibidos: 
01. Deu um Rolê – de Rafael Lage

02. Hora Marcada – de Diego Duarte

03. Bike Anjo na Virada Cultural – de Marcos Gomes de Sousa

04. Respeita as Minas – de Nina Tangerina

05. Circulação Exclusiva – de Gustavo Adriano

06. De Magrela – de Marcelo Lin e Michel Brasil 

07. Drop Doc – de Raphael Borges

08. Vá de Bicicleta – de Fernando Biagioni

09. Bicíclico – de Igor Amin e Bruna Carvalho

10. Ciclovia CaranAlter – de Israel Campos

11. Expedição Serra do Espinhaço, a Cordilheira Brasileira – de Fabiano Zig

12. Ravelli, uma vida dedicada ao ciclismo – de Ednei Sulzbach

13. Praga da Ciclofaixa – do Coletivo Nigéria

0

Exposição revela pés de ciclistas urbanos 

Designer lança na próxima semana exposição que retrata um detalhe interessante do universo dos ciclistas urbanos; os pés. 
Segundo Bruna Caldeira o experimento artístico que envolve fotografia e desenho, que tem como objetivo disseminar a cultura da bicicleta, valorizar quem pedala e estimular seu uso. “O pé é a parte do corpo mais imprescindível na conexão do ciclista a sua bicicleta. É por meio dele que, em contato com o pedal, é possível o deslocamento existir, fluir. Uma relação de completa intimidade e cooperação mútua. Fotografar os pés dos ciclistas da cidade é saudar essa união. É, também, retratar um pouco da personalidade e estilo particulares de cada um e mostrar a diversidade existente no universo geral de quem pedala” descreve Bruna no seu projeto. 

La niña é o pseudônimo de Bruna Caldeira quando expressa-se nas artes visuais. Bruna é formada em Desenho Industrial pela UEMG, e desenvolve desenhos autorais nas mais diversas técnicas. 

A bicicleta entrou naturalmente na vida da designer quando ela começou a usá-la como transporte. “Há um ano comecei a usar a bicicleta como meio de transporte e desde então um mundo novo despontou-se em meu horizonte” declarou. 

Serão 18 trabalhos que retratam o universo de quem pedala; Bike, liberdade, amizade, trânsito, protesto, ativismo, empodeiramento, meio ambiente, pés & pedais.

Serviço:

Exposição Pés & Pedais by Bruna Caldeira 

19h – Café Khalua – Rua dos Guajajaras, 416 – Centro – BH

* O Café Kahlúa irá fornecer gratuitamente um café para os 30 convidados que chegarem primeiro, é só avisá-los.
** A exposição ficará no café até o dia 05/08

Blog do projeto https://pesepedais.wordpress.com

   
    
   

1

Por toda vida 

“Comecei aos seis anos de idade, aprendi em uma Bicicleta Tigrão de um amigo meu do ensino primário quando morava em Bocaiúva no interior de Minas. Aos 16 anos comecei a trabalhar com um tio meu em um bar/armazém nos finais de semana (pois passei a estudar em regime integral na Pampulha). Comprei uma Monark 10 com a qual eu ia alguns dias para a aula. Mas todos os finais de semana que eu ia trabalhar no Bar do meu tio, que ficava uns 12 km se distancia da minha casa (morava no bairro Ipiranga e o bar era perto de santa luzia). Isso durou até os vinte anos. Quando me mudei para Ouro Preto por conta de um trabalho e estudos. Em 2010 passei a pedalar praticamente todos os dias. E aí comecei a treinar com Speed novamente e fiquei nisso por alguns anos. Há um ano e meio venho montando essa minha bicicleta urbana para cumprir trajetos rápidos dentro das minhas atividades diárias, quando puder ser assim. Agora estou me preparando para ir a Montes Claros em um dia só, direto. Gosto destes desafios”, Rogerio Oliveira, psicológo.
   
   

0

Tweed BH realiza passeio por Santê

BH Tweed Santê

O charmoso bairro de Santa Tereza será o cenário da próxima edição do Tweed Ride BH, passeio retrô de bicicleta que promete passear pela arquitetura do bairro antigo da capital mineira.

No  domingo dos namorados, uma ótimo programa para pedalar com o amor será o Tweed Ride (12/06)  um passeio com ares retrô que resgata o papel da bicicleta no cenário urbano. Os participantes se inspiram em figurinos e acessórios das décadas de 40 e 50 e pedalam pela cidade promovendo o uso da bike. Nesta edição algo inédito; o resgate de casas antigas da região através de um passeio fotográfico pelo bairro Santa Tereza que renderá material para o projeto Casas de BH  que realiza um belo projeto visando valorizar casas antigas de BH e resgatar suas histórias.

Nesta edição a escolha do bairro Santa Tereza tem um motivo especial; o bairro tem passado por grande pressão do setor imobiliário. “Belo Horizonte está perdendo sua história. Em Maio um quarteirão inteiro, com casas antigas, foi demolido no Santa Efigênia em frente ao bike café Pedal & Prosa. Os moradores a amigos do Santa Teresa tem lutado para evitar a destruição de casas que contam as origens da cidade. Por isso escolhemos um bairro que tem sido tão “atacado” por inciativas e polítcas que visam acabar com as casas da região”, declara o jornalista e co-realizador do evento, Gil Sotero. O roteiro foi elaborado em parceria com o porta de notícias do bairro Santa Tereza Tem .

O principal objetivo dos ciclistas que participam do Tweed Ride BH é conscientizar a população do uso da bicicleta nos bairros : “Uma das diversas intenções do Tweed Ride BH é mostrar que é possível usar a bicicleta como meio de transporte, desvinculando-a da prática esportiva”, declarou Renata Aila, pesquisadora UFBA, criadora do Twwed Ride BH.

O passeio começará com um café oferecido pelo Atelier Aluizio Casa, loja cuja construção  também faz parte do conjunto arquitônico preservado do bairro.

 

Histórico

Nascido em 2009 em Londres, quando um grupo de ciclistas resolveram pedalar resgatando vestimentas de inverno dos anos 20, 30 e 40, entre eles o tweed, um tecido de lã utilizado em estações frias, o passeio batizado de Tweed Ride ou Tweed Run ganhou o mundo com a mesma mensagem: a bicicleta é uma forma elegante de se deslocar pela cidade.

Em Belo Horizonte a primeira edição foi realizada em 2013. A adesão ao passeio se dá pela principal característica do evento; Não é preciso ser um atleta para participar – “”Ao longo da história do Tweed Ride BH, percebe-se o carinho com que os ciclistas têm recebido o passeio no qual vemos um número crescente de participantes a cada edição.”, declara Renata Aila. O o Tweed também resgata hábitos perdidos: “Nossos avós usavam a bicicleta e todos se conheciam nos bairros. O Tweed resgata isso: a relação com a cidade algo que foi perdido com a cultura do carro e shopping center´s. Nós do Tweed queremos parques, praça, museus, tudo que promova o uso da bicicleta. Bike é cultura e está renascendo em varias cidades pelo mundo”, completa Sotero.

Evento no facebook:

TWEED RIDE BH

12/06/2016
09h – Concentração – Café – Atelier Aluizio Casa
Praça Duque de Caxias, 316 – Santa Tereza – BH
Informações: 31 99182-4349
Gil Sotero